Charutos Cubanos

Posted in Humberto Bruno by jorgecorreia on Dezembro 1, 2008

vou-voltar-carai

Tagged with: ,

Agricultura parte 4

Posted in Humberto Bruno by jorgecorreia on Maio 16, 2008

(ler primeiro “agricultura parte 3”) Olá a todos… carai. Vim aqui desta vez, para vos dizer que pão do forno com côdea queimada e repasto de vitelo por cima sabe bem com’ás cobras. E por falar em vitelo…os meus tão doentes. Não sei se têm reparado, mas o tempo anda esquesito, ora faz sol, ora faz chuva. Pego eu na camisola caviada castanha (ha treze anos era branquinha), boto as sandálias que encontrei no barraco do Juvenal e já ia eu com o pasto por ali a baixo, quando começam a cair bolas de saraiva do tamanho de autocarros cisternas. Pus-me logo a correr. Deixei os animais todos para trás, mas teve de ser. Era uma saraivada que nem imaginam. Durou praí 1 hora, sempre a cair… Quando chegei a casa, tava todo encharcadinho e digo eu cá para mim: “carai…”. O que vale é que assim já não tomo banho tão cedo e fico com este cheirinho a gelo picado. Já ia ligar o rádio para ver se alguem tinha morrido com o temporal, quando abre lá fora um sol brilhante que aquilo parecia o fim do mundo. Pus logo os óculos que me deram na cidade, quando foi lá o eclipse…e nem pensar em olhar para cima. Bom, saí de casa todo borrado, à procura do gado que tinha deixado para trás. Encontrei-os 10 minutos depois a 110km de casa, metade dos vitelos estavam congelados. Esses parti-os logo a meio com o machado e trouxe-os ás costas para a arca frigorífica. A outra metade ou estão constipados ou já tão avariadinhos de todo.
Hoje disseram na rádio que previam vento fraco a moderado aqui para os meus lados, por isso é que ando aqui a escavar uma vala….é que da ultima vez que disseram isso, passou aqui um vendaval que até elefantes voaram.
Hoje, por exemplo, estão 45º celsius , á sombra…Cumprimentos, Humberto Bruno.

Tagged with:

Agricultura parte 3

Posted in Humberto Bruno by jorgecorreia on Abril 1, 2008

 

78313205.jpg73091337.jpg

 

                                                                                                            (ler antes “Agicultura parte2″)
 Há dias veio-me á cabeça, porque não comprar mais dois ou três terrenos de olival? Pois, peguei no lamborghini e fui ver uns baldios. Sempre gostei de andar ali a cavar. Dum lado po outro, de rego em rego, com a sachola na mão, até fazer sangue. Tenho mais ao menos, (já contando com o campo de futebol que é meu…) cerca de 1295 terrenos, metado deles têm pra cima de 10.000 héctares. Ainda vou dando conta de tudo, mas tenho de agradecer a duas pessoas que trabalham dia e noite comigo. Vivo com eles, e são os meus maiores companheiros no dia-a-dia. O meu sobrinho e o meu primo. O sobrinho, o mais pequeno é um pirata do carai. Tem só 4 anos e já anda ali a carregar fardos de 2 e 3 toneladas pra cima e pra baixo, tudo por amor á terra. Já o meu primo, é um bocado mais velho. Tem 10 anos mas já pensa que é um homem. É o que trabalha menos de nós os 3 mas é também o que come mais. Chegei a matar duas vacas pra lhe dar o almoço aos 5 anos. Agora imaginem com esta idade. Mato manadas e rebanhos so para ele petiscar. Apesar disso é um bom moço, e eu tenho muita pena dele. É mudo. Também gosto muito do outro reguila porque a minha irmã (mãe dele) o abandonou logo ao nascer. Nunca mais a vi, a desgraçada…Fui pedir a Kodak emprestada á Simone para lhes tirar uma foto, espero que gostem. Cumprimentos, Humberto Bruno.

 

 

Tagged with:

Agricultura parte 2

Posted in Humberto Bruno by jorgecorreia on Março 17, 2008

(aconselho a lerem primeiro, o post correspondente á “Agicultura parte1”)

…os canteiros que tenho em casa são emprestados, porque uma vez veio aqui a guarda a ver se tinha sido eu a roubar a carrinha do padre Raul e eu pedi os canteiros emprestados á Simone porque se não, eles pensavam que vivia numa pocilga, e não parece bem. A meio da manhã, a geira já começa a cansar, e ás vezes quando vou a ver já tou com a cabeça dentro dum poço. Ainda há tempos caí ali no poço do Seixo, tropecei num pau, caí la dentro de cabeça. Fiquei com o nariz todo torto, e tive sorte porque quando comecei a berrar de lá de dentro tava a passar a guarda na estrada. Voltaram-me a perguntar se eu tinha a carrinha do padre Raul, e eu ao ficar irritado por eles desconfiarem de mim, quase que caía dentro do poço outra vez mas agarrei.me ás ervas, que por acaso eram só silvas e ortigas. Fiquei todo arranhado, e cheio de comichão no resto do mês. O meu nome é Humberto Bruno e não sei quantos anos tenho porque não decorei a minha data de nascimento, mas como a Simone tem 97 anos e já não consegue falar, eu se consigo falar devo ser mais novo.(continua…)

Agricultura parte 1

Posted in Humberto Bruno by jorgecorreia on Dezembro 29, 2007

Levanto-me ás 4 e meia da manha, isto quando adormeço e chego atrasado. Normalmente levanto-me as 3 e meia da manha, quando a água demora meia hora a aquecer, porque num dia normal de trabalho levanto-me as 3 da manha. Visto-me com a mesma roupa à cerca de um mês, apesar das várias quedas que dou, em que acabo por sujar a roupinha toda e muitas vezes molho até as cuecas. No entanto sinto-me bem com ela, e não tenho ninguem que ma lave. Mais ó menos um mês depois, sinto que começa a fazer comichão nos ombros, e lá passo no ribeiro, onde me dispo, meto toda a roupa na água bem fresquinha e, todo nú, vou colher alguns raminhos de silvas pa decorar os canteiros…(continua).